Depoimentos

"Marcela Morais Amaral"

Conheci o Projeto Social CAC através de amigos e adorei a iniciativa. Resolvi conhecer e oferecer ajuda. Amo crianças e me sinto grata de poder fazer algo que contribua de forma positiva para a vida delas. O projeto é muito bem estruturado e com pessoas muito responsáveis. O que faz a gente querer ajudar ainda mais. Atualmente realizo oficinas com crianças e com adolescentes no bairro Matosinhos. Está sendo uma experiência maravilhosa.

"Regina Assunta Pereira Lima"

Quem planta uma árvore, planta uma esperança. Nossos alunos viveram uma experiência única. Hoje, participaram de uma manhã maravilhosa pelo Projeto Social CAC. Aprenderam  muitas lições num ambiente ao ar livre,  agradável e cheio de descobertas. Apreenderam curiosidades desde o Cerrado até a Mata Atlântica. Ficaram deslumbrados com a experiência da importância de todos os seres vivos no meio ambiente.  Viajaram na criatividade das abelhas e se  encantaram com os buracos dos tatus. Muito obrigada a todos responsáveis por nosso aprendizado.

"Sérgio Gualberto Martins"

A universidade está baseada em três pilares, sendo eles: ensino, pesquisa e extensão. Assim a extensão deve ser indissociável de ensino e pesquisa. Neste contexto, a Universidade Federal de São João del Rei ( UFSJ) por meio de uma interação dialógica tem realizado projetos de extensão de forma a alcançar os mais variados setores da sociedade. Assim que surge o projeto "Percepção Ambiental: O despertar de um olhar crítico para questão da degradação do solo e vegetação na região dos Campos das Vertentes". Este projeto nasce de uma necessidade de desnaturalizar a questão da degradação da paisagem do município de São João del Rei. O município apresenta uma incidência muito alta de erosão hídrica do tipo voçoroca. Este tipo de erosão é a máxima expressão da erosão hídrica. A erosão hídrica causa uma série de prejuízos econômicos, ambientais e sociais, dentre eles a diminuição da produtividade das culturas, assoreamento de mananciais de água, aumento do custo do tratamento de água nas estações de tratamento e empobrecimento da região, podendo culminar com o êxodo rural, além da quebra da harmonia visual da paisagem. Por estar presente na paisagem, o cidadão pode entender como sendo natural uma erosão deste tipo. No entanto, no caso do município de São João del Rei, estas voçorocas foram causadas por intervenções antrópicas. Levar o conhecimento à população sobre quais mecanismos causam este tipo de degradação é fundamental para um futuro mais sustentável. De acordo com o art. 2o da Lei Nacional de Educação Ambiental, n° 9795 de 27 de abril de 1999, a educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal. Diversos são os métodos adotados pelos educadores para tornar esses ensinamentos mais didáticos e de simples absorção pelos aprendizes e dentre esses um se destaca no âmbito de percepção e compreensão espacial: a maquete. Assim este projeto visa por meio da construção de maquetes interpretativas, representar a paisagem. O publico alvo, são crianças de escolas públicas. Atualmente o projeto está sendo desenvolvido na Escola Brighenti Cesare, nas turmas do oitavo ano. Este ano, o projeto conta com a parceria do Projeto Social CAC, por meio de doação da Associação de materiais para construção das maquetes. São atendidas todas as quintas-feiras durante às aulas de ciências cerca de 50 alunos da Escola Brighenti. Atualmente, este projeto conta também com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal de São João del Rei e tem como coordenador do projeto, o professor Sérgio Gualberto Martins e a bolsista do Curso de Zootecnia, a aluna Amanda Ramos.