Projeto Social CAC apoia ação de extensão e resultado é exposição em Feira de Ciências

26/11/2018

 No último sábado, 24, a Escola Estadual Brighenti Cesare realizou a Feira de Ciências com o tema “Ame o Próximo, se não conseguir pelo menos respeite-o”. O projeto "Percepção Ambiental: O despertar de um olhar crítico para questão da degradação do solo e vegetação na região dos Campos das Vertentes" coordenado pelo prof. Dr. Sérgio Gualberto Martins, do Curso de Zootecnia, da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) foi destaque na feira escolar.


 O projeto de extensão conta com o apoio do Projeto Social CAC e é realizado na escola estadual por meio de uma parceria interinstitucional. A bolsista Amanda Ramos atua no projeto e junto à Profa. Larissa Marielle de Oliveira Pereira, responsável pela matéria Ciências, realizam atividades pedagógicas e de muito valor para o conhecimento e aprendizagem dos alunos do 7° e 8° Ano do Ensino Fundamental. A base do desenvolvimento do projeto de extensão diz respeito à Educação Ambiental e Preservação do Meio Ambiente.


  Na Feira de Ciências, esses alunos apresentaram o resultado dessas atividades por meio de maquetes, que mostravam as consequências negativas da erosão dos solos a partir da representação das voçorocas. Essas maquetes foram feitas pelos próprios alunos, que usando terra, papel higiênico, cola branca e papelão criaram as estruturas das maquetes. O resto do papel higiênico foi utilizado para criar uma instalação no meio da sala de exposições, representando uma árvore e seus troncos.


  De acordo com Amanda Ramos, o projeto teve as seguintes etapas: explicações em sala de aula, visita técnica em uma área degradada na Região das Águas Santas, em Tiradentes, desenvolvimento de um painel explicativo sobre o projeto criado pelas próprias bolsistas de extensão e o desenvolvimento das maquetes.  A bolsista ainda explicou que o projeto terá como resultado, além das ações extensivas na escola, produtos científicos como artigos para congressos, por exemplo. 


  O trabalho da Profa. Larissa Mirelle de Oliveira Pereira foi relevante para o envolvimento dos alunos com o projeto. Os ingredientes carinho, atenção e disciplina foram fundamentais para o interesse e encantamento dos alunos da escola com as atividades propostas.  Larissa explicou que é muito importante essa relação dos alunos com um projeto desenvolvido pela UFSJ, uma vez que torna a universidade um lugar acessível e próximo a eles, estimulando-os de forma positiva a seguir uma carreira profissional por meio do ensino superior. 


  Outra questão levantada pela professora foi o trabalho realizado com o aluno Walex Sander Nogueira, portador do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Na visita técnica, o aluno teve a possibilidade de tocar, sentir e vivenciar a experiência de forma coletiva, junto aos demais amigos de escola. O que segundo Larissa foi uma forma de proporcionar educação ambiental por meio das relações de afeto e respeito em grupo. 


  O Prof. Sérgio Gualberto conclui que as atividades de extensão são uma forma de levar conhecimento produzido na universidade para a sociedade. No projeto, ele busca semear nos mais jovens a consciência de preservar as áreas ambientais e o solo. “O projeto teve como objetivo trabalhar os aspectos de degradação do solo causados pela ação do homem e como essas ações negativas alteram a qualidade de vida das pessoas e a paisagem ao redor e nossa relação com a natureza. As crianças são o público mais importante para trabalhar a educação ambiental, eles aprendem e dividem com os outros suas experiências, ajudando no processo de educação também dos mais velhos”, enfatizou.